11/05/22

Educação Financeira: O que prejudica as finanças das mulheres?

Para começar, do ponto de vista histórico a vida financeira da mulher é muito recente.
No último ano, três pesquisadores brasileiros da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) de São Paulo trabalharam para responder a uma pergunta: “o que prejudica as finanças das mulheres?”. Eles analisaram 130 artigos científicos publicados entre 1990 e 2020 e concluíram que muitos elementos familiares, individuais, comunitários e sociais interferem nas finanças femininas.

Mas em destaque temos o casamento como um desses elementos, que de modo positivo traz uma sensação de bem-estar, de segurança financeira e soma de receitas. Contudo, outros elementos que têm relação direta com o casamento afetam diretamente a prosperidade financeira das mulheres. O primeiro é a maternidade. Sabemos o quanto esse fator pode afetar a nossa garantia de empregabilidade e renda. E, se ainda não bastasse, a pesquisa aponta que depois da maternidade os salários tendem a reduzir em até 9%. Ou seja, se os salários já não são iguais entre homens e mulheres, piora para mulheres mães. Violência doméstica e acúmulo de tarefas – em média as mulheres realizam em torno de 21 horas semanais de trabalhos domésticos e os homens apenas 11 horas – completam a lista.

Para os pesquisadores, diante dessas diferenças e dificuldades atribuídas ao universo feminino, é estratégico o desenvolvimento de projetos e políticas na área de finanças voltados especificamente para mulheres. Dito isso, você pode estar com uma pergunta: é realmente importante as mulheres consumirem conteúdos de educação financeira voltados para elas?

Para começar, do ponto de vista histórico a vida financeira da mulher é muito recente. No Brasil, ela só pôde abrir conta bancária a partir de 1962. Antes disso, ela tinha de pedir autorização para o marido ou para o pai. Assim, sempre que precisava fazer qualquer coisa, era o homem do contexto social dela quem tomava conta, quem se responsabilizava. Se observarmos atentamente, ainda hoje, por questões culturais e não mais de cunho legal, é comum as mulheres delegarem para algum homem do seu contexto social a tarefa de cuidar das finanças.

Curiosamente, isso é muito contraditório, porque geralmente somos nós mulheres que cuidamos do orçamento doméstico, do dinheiro do dia a dia na nossa família. Mas não cuidamos do patrimônio. O resultado é que, em casos de divórcio, o padrão de vida da mulher tende a cair. Em 67% dos casamentos que acabam, o padrão de vida da mulher diminui em até 70%, e muito porque ela até então via o casamento como uma forma de segurança financeira.

Isso acontece porque, apesar do direito de cuidar do próprio dinheiro, pouco ou quase nada se ensinava a respeito do tema para elas. As mulheres cresceram sem o devido preparo para ir além do orçamento doméstico. Por essa razão, é importante criar políticas e conteúdo específico para o público feminino. Ao nichar, o assunto é apresentado dentro da realidade feminina e em uma linguagem mais adequada. Palestras, presenciais ou não, mas que reúnam apenas mulheres são uma forma de fazê-las se sentirem mais à vontade, para perguntar o que pode parecer óbvio e compartilhar erros.

No entanto, essa separação não pode ser eterna. A educação financeira focada no feminino tem o objetivo de inclusão, de mostrar o problema e dar à mulher o conhecimento necessário para que ela seja bem-sucedida ao resolvê-lo sozinha. De participar do mercado em igualdade de condições. Quando, no futuro, o cenário for outro, claro que essa necessidade tenderá a ser menor. Ficar em uma bolha é importante no começo, mas para crescer é preciso estourá-la.

Contudo, a dificuldade maior está diretamente ligada à desigualdade salarial. De acordo com uma pesquisa da Anbima, que ouviu 5,8 mil pessoas de todas as classes sociais, as mulheres que não têm o hábito de investir representam 72% da população feminina. E não ter dinheiro é a explicação da maioria para esse fato. Com salários 34% menores do que os colegas homens, o desafio de esticar a renda é mais uma tarefa estafante para as mulheres. Mas, uma boa educação financeira é capaz de ajudar a melhorar essa realidade e otimizar a relação que elas têm com o dinheiro para fazer boas escolhas e ganhar ainda mais confiança. Porém, só consegue fazer isso quem tem conhecimento.

Falar sobre saúde financeira é importante para todos, mas principalmente para as mulheres, que em sua maioria ainda estão em desvantagem em relação aos homens. São muitas as que abandonam seus sonhos por não terem uma vida financeira independente. E mesmo para aquelas que trabalham fora, não ter uma vida financeira saudável é extremamente prejudicial, pois o estresse causado por problemas relacionados à falta de dinheiro afeta a produtividade, a concentração e a felicidade. Ter renda própria importa, mas saber lidar com o dinheiro é um diferencial para uma vida completa e saudável.   

(Charys Oliveira – Jornal Contábil)

Para melhorar a sua experiência utilizamos cookies essenciais e de acordo com a nossa Política de Privacidade, ao continuar navegando, você declara que concorda com estas condições.