08/04/22

Educação Financeira: A relação entre RH e felicidade financeira

Especialista alerta que empresas conscientes podem ajudar seus colaboradores a conquistar estado de satisfação.

O nível de felicidade da população brasileira está pior após o início da pandemia. De acordo com a pesquisa Bem-Estar Trabalhista, Felicidade e Pandemia, realizada pelo centro de políticas sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV Social), a satisfação dos brasileiros com a vida em 2020, em uma escala de zero a dez, chegou a 6,1 pontos - uma queda de 0,4 em relação ao ano anterior. E um dos principais fatores que impactam nesse resultado é o lado financeiro. O que nos leva a pensar sobre um termo ainda pouco abordado no dia a dia: a felicidade financeira.

Afinal, o que é isso? E como o RH pode ajudar seus colaboradores a atingirem esse grau de satisfação?
O que significa “felicidade financeira”?

Em suma, esse termo está relacionado à realização de um desejo financeiro, que se diferencia entre cada indivíduo.

Pode ser desde conseguir pagar os boletos em dia, conquistar o imóvel próprio ou mesmo comprar qualquer coisa que desperte o sentimento de prazer, satisfação.

Por que ajudar o time nessa conquista?

De acordo com dados da Serasa, o número de brasileiros endividados cresceu consideravelmente no ano passado. Em dezembro de 2020, 61,3 milhões de pessoas tinham dívidas. No mesmo período do ano posterior, essa quantidade subiu para 64 milhões. Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o país encerrou 2021 com uma quantidade recorde de endividados, chegando a uma média de 70,9% das famílias.

A partir do momento em que a saúde financeira do colaborador é afetada, há um aumento em sua distração no trabalho e uma redução notável na produtividade. Por isso, auxiliar a sua equipe em todos os processos necessários para a conquista da felicidade financeira faz toda a diferença, tanto para o funcionário como para a empresa.

De que forma ajudar?

Segundo a sócia da Neon ConsigaMais, Camilla Clemente, há algumas medidas que o RH pode adotar que são primordiais para auxiliar os colaboradores a alcançarem esse objetivo. Entre elas, destaca-se a educação financeira.

Essa é uma estratégia simples, mas extremamente eficiente e transformadora. Além de viabilizar um apoio emocional, quando você leva à sua equipe conteúdos que ensinam sobre finanças - desde o significado de termos financeiros até dicas de como se organizar e realizar o planejamento adequado -, oferece uma ferramenta valiosa para a obtenção da felicidade financeira e colabora também com a retenção e desenvolvimento de talentos”, afirma.

Esses conteúdos, juntos a ferramentas que facilitem o controle de gastos, podem ser disponibilizados tanto presencialmente como online, por meio das mais variadas formas de comunicação - workshops, palestras, podcasts, webinars, blog e canais de relacionamento.

Em conjunto à orientação financeira, há a possibilidade de oferecer crédito consignado privado. Esse tipo de empréstimo é rápido, descomplicado, contém taxas de juros mais baixas que outras linhas de crédito, desconto direto na folha de pagamento - gerando menos preocupações com esquecimentos e imprevistos -, além de disponibilizar prazos mais longos para quitação e organização.

“Facilitar o acesso dos trabalhadores a essa modalidade de empréstimo proporciona inúmeras vantagens para sua saúde financeira e mental, o que se reflete no ambiente profissional. Sem a opção de crédito consignado, muitas pessoas perdem o controle de suas dívidas e enfrentam dificuldades constantes para realizar seus objetivos, sentindo-se cada vez mais distantes da felicidade financeira”, finaliza.  

(Camilla Clemente - Contadores)

Para melhorar a sua experiência utilizamos cookies essenciais e de acordo com a nossa Política de Privacidade, ao continuar navegando, você declara que concorda com estas condições.