06/05/22

Bolso: inadimplência é o resultado de um ciclo vicioso que combina inflação alta, juros elevados e desemprego

Nesta quarta-feira (4), no programa CBN Vale 1ª Edição, o colunista do quadro CBN Economia, José Joaquim Nascimento, falou que a inadimplência é o resultado de um ciclo vicioso que combina inflação alta, juros elevados e desemprego alto.

A CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) divulgou um levantamento relativo à inadimplência e apontou que 77,7% das famílias fecharam o mês de abril com dívidas e, quase 30% com contas em atrasos.

E o pior, puxado pelo cartão de crédito que representou 88,8%. Esta modalidade de pagamento é de curto prazo e está voltada para consumo. E isto é preocupante por dois motivos básicos:  o cartão de crédito tem o juros mais alto do mercado e ele está relacionado às compras de curto prazo das famílias.

Numa perspectiva macroeconômica, o crescimento da inadimplência evidencia a incapacidade do Governo atual de administrar a economia com eficiência, à medida que não consegue quebrar o ciclo vicioso entre inflação, juros altos e desemprego. Na visão microeconômica uma evidência de que as rendas estão minguando cada vez mais.

A escalada dos números de famílias que não conseguem pagar todos os seus gastos nos últimos anos vem aumentando expressivamente. Assim, todos os agentes econômicos são afetados negativamente, sendo as pequenas empresas e as famílias de baixa renda os mais prejudicados. E, a consequência é que a inadimplência está minando os níveis de crescimento das empresas e gerando riscos elevados de continuidade do negócio.

Com inadimplência mais alta, o crédito fica mais caro, porque o risco para instituição financeira é maior. Para empresas comerciais os lucros são afetados porque as provisões para devedores duvidosos aumentam, o que comprometem os planos de investimentos futuros, por exemplo. Para o Governo, infelizmente, fica flagrante sua incapacidade de administrar a economia e evitar que este ciclo perverso de inflação alta, juros elevados e desemprego alto gere mais inadimplência e alimente novos ciclos.

Chegou o momento em que os brasileiros precisam contar moedinhas para conseguir fazer as compras e apertar ainda mais o cinto e ter paciência, porque parece que o “veículo está desgovernado”.  

(CBN)

Para melhorar a sua experiência utilizamos cookies essenciais e de acordo com a nossa Política de Privacidade, ao continuar navegando, você declara que concorda com estas condições.