01/02/18

Previdência perdeu 1,1 milhão de contribuintes em 2017

Com a redução da formalização do emprego e a maior insegurança

A redução da formalização do emprego e a maior insegurança sobre a renda familiar reduzem o ímpeto de contribuição de quem trabalha na informalidade.

A redução no total de postos de trabalho com carteira assinada no País diminuiu o porcentual de ocupados que contribui para a Previdência Social. A fatia de contribuintes da previdência na população ocupada caiu de uma média de 65,5% em 2016 para 64,1% em 2017, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A população de ocupados que contribui para a previdência brasileira passou de 59,210 milhões em 2016 para 58,114 milhões no ano passado, 1,1 milhão de pessoas a menos.

"Houve aumento de empregos sem carteira, de trabalhadores por conta própria e de emprego doméstico. Por mais que seja uma forma de sobrevivência, essas pessoas não estão contribuindo para a previdência. Não é bom para a pessoa, não é bom para o País, não é bom para ninguém", ressaltou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE.

Segundo o pesquisador, há um processo em curso de recuperação do mercado de trabalho em 2017 em relação ao auge da crise, mas persistem alguns pontos negativos, entre eles o fechamento de vagas com carteira assinada no setor privado. "Na retrospectiva de 2016, o quadro era bem mais complicado. Você fecha o ano de 2017 no vermelho, mas com gravidade menor", disse Azeredo.  

(Daniela Amorim - Agência Estado)