27/05/21

Ministério: Brasil teve 7 casos da variante indiana confirmados e 3 suspeitos monitorados

Casos suspeitos no DF e no CE foram descartados, informou o Ministério ao G1. Chamada de B.1.617, variante já é apontada como mais transmissível do que a variante britânica, segundo relatório da OMS.

O Ministério da Saúde informou na noite desta quarta-feira (26) que o Brasil tem sete casos confirmados da variante indiana do novo coronavírus, a chamada B.1.617. São seis casos em São Luiz, no Maranhão, e um em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro.

Além disso, segundo a pasta, outros três casos suspeitos são monitorados, em Minas Gerais e no Pará, e aguardam a conclusão de sequenciamento genético.

"Os casos no DF e CE foram descartados para a nova variante", informou o Ministério ao G1.
O caso que o Ministério associa a Campos dos Goytacazes é o do viajante que chegou da Índia ao Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, e foi diagnosticado nesta quarta com a variante indiana do coronavírus.

A variante já foi oficialmente detectada em 49 países e 4 territórios, segundo relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) publicado nesta quarta. De acordo com o documento da OMS, a B.1.617 é mais contagiosa em uma comparação inicial com a variante britânica, mas ainda é investigado se ela está relacionada a quadros mais graves de Covid-19 e se ela aumenta o risco de reinfecção.

Trajetória da variante
A variante indiana foi registrada pela primeira vez na Índia em outubro do ano passado. Com a explosão de casos no país e sua disseminação no Reino Unido, ela passou a preocupar o mundo. Isso ocorreu, segundo os infectologistas, porque provavelmente a variante se tornou mais transmissível após mutações sofridas desde a sua descoberta.

Uma variante é resultado de modificações genéticas que o vírus sofre durante seu processo de replicação. Um único vírus pode ter inúmeras variantes. Quanto mais o vírus circula – é transmitido de uma pessoa para outra –, mais ele faz replicações, e maior é a probabilidade de modificações no seu material genético.

Apesar de ter sido notada no ano passado, foi somente em 10 de maio que a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a variante B.1.617 como "preocupação global".

"Existe alguma informação disponível que indica uma transmissibilidade acentuada", disse a líder técnica da OMS, Maria van Kerkovh, durante anúncio.

Essa variante possui três versões identificadas até o momento: B.1.617.1, B.1.617.2 e B.1.617.3. Todas foram descobertas primeiramente na Índia.

Mais transmissível
Acredita-se que variante se dissemine mais rápido, mas cientistas ainda não sabem dizer se é mais letal e tenha maior transmissibilidade.

Segundo o boletim semanal da OMS, as "taxas de ataque" da sub-linhagem B.1.617.2 da variante indiana parecem ser superiores às da variante britânica (a B.1.1.7). "Novas evidências estão surgindo de que as taxas de ataque para a variante B.1.617.2 relatadas no Reino Unido entre 29 de março e 28 de abril de 2021 foram superiores ao da B.1.1.7", diz o documento.

A sub-linhagem B.1.617.2 também reduz a eficácia das vacinas da Pfizer e de Oxford/AstraZeneca, mas os imunizantes ainda são "altamente efetivos", segundo estudo preliminar.

(G1)

Para melhorar a sua experiência utilizamos cookies essenciais e de acordo com a nossa Política de Privacidade, ao continuar navegando, você declara que concorda com estas condições.