28/04/20

Europa caminha para desconfinamento progressivo

A OMS afirmou nesta segunda-feira (27) que não tem "mandato para obrigar os países a seguir seus conselhos" de isolamento social.

Em ordem dispersa e, às vezes, de forma polêmica, os europeus iniciam um desconfinamento que promete ser particularmente complexo, ao ritmo de uma pandemia de coronavírus ainda longe de ser interrompida.
Até o momento, a pandemia deixou quase 207.000 mortos para três milhões de infectados em todo mundo, segundo uma compilação feita pela AFP com base em dados oficiais.

Dada a magnitude da pandemia e em defesa de sua ação, criticada por ser lenta e tendenciosa pelos Estados Unidos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou nesta segunda-feira (27) que não tem "mandato para obrigar os países a seguir seus conselhos".

"O mundo deveria ter ouvido atentamente a OMS porque a emergência global começou em 30 de janeiro", com 82 casos e nenhuma morte fora da China, disse o diretor-geral da OMS Tedros Adhanom Ghebreyesus a repórteres em Genebra.

Na Europa, onde a pandemia deixa mais de 125.000 mortos, a doença começa a parecer sob controle nos quatro países europeus mais afetados: Itália (26.977), Espanha (23.521), França (23.293) e Reino Unido (21.092).

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson voltou ao trabalho nesta segunda-feira e, depois de se recuperar do COVID-19, pediu paciência aos cidadãos ao apontar que a curva da epidemia "começa a se inverter" e alertou que os "esforços e sacrifícios dos britânicos" não podem ser desperdiçados, dando espaço para uma "segunda grande epidemia".

O Reino Unido registrou 360 mortes nesta segunda-feira, seu saldo diário mais baixo desde março.

(AFP/Estado de Minas)